A profanação dos lugares sagrados e a boca do povo

[ Moses before the Burning Bush (Moses vor dem brennenden Dornbusch), 1613-1614, Domenico Fetti ]

 

Gosto de pensar o nosso coração como o Lugar Santíssimo do Templo de Israel no Velho Testamento.

O primeiro Templo de Deus em Jerusalém foi um projeto construído nos tempos do rei Salomão, haviam vários pátios com determinadas divisões e limitações, ou seja, não era qualquer um que podia ir de um pátio a outro.

Vale a pena pesquisar e estudar sobre as divisões e limitações do átrio dos gentios, o recinto sagrado, o átrio das mulheres, átrio de Israel, o átrio dos sacerdotes e o Santuário que tinha duas áreas importantíssimas, o Lugar Santo e o Lugar Santíssimo, os quais estavam separados por duas cortinas. No Lugar Santo, os sacerdotes realizavam suas atividades regulares e o Lugar Santíssimo era o coração interior do templo, e só o sumo sacerdote podia ali entrar, uma vez por ano, no dia da expiação, quando oferecia um sacrifício pelos pecados do povo. Depois dessa pesquisa sugiro que estudem quando foi que o Véu do Templo se rasgou e leia atentamente o livro Aos Hebreus que está no Novo Testamento da Bíblia Sagrada.

Definitivamente, o nosso coração e a nossa intimidade não é para qualquer um, o acesso a esses espaços de vidas e mortes deve ser ultra restrito. São ambientes onde as nossas inadequações, complexidades, incoerências e vergonhas estão expostas. Toda a nossa condenada nudez está em nosso coração.

Algumas dores e sofrimentos nos levam a suplicar por presenças nesse santuário e é preciso muito cuidado para não transformar o coração em arquibancada de time de futebol e em estação de metrô em horário de pico. Mas é preciso admitir que há momentos em que a angustia e o desespero – entre outras carências – não nos permite evitar que o nosso coração não se pareça com um vagão de trem quando chega numa plataforma superlotada prestes a experimentar empurrões e pisoteios.

Há uns 14 anos atrás eu experimentei toda a violência, arrombamentos e violações adoecedoras, possíveis e inimagináveis de minha casa mais íntima. Em agressiva autopunição, eu contribui muito para que essas invasões da minha alma acontecessem e é por isso que eu insisto, guarde o seu coração e restrinja rigorosamente os acessos e presenças.

Mesmo limitando o acesso e escolhendo bem as pessoas dignas do nosso mais íntimo segredar, sempre será um risco, um risco que precisa ser criteriosamente calculado e assumido. Jamais se iluda, não ficaremos livres das almas de rapina, muitas delas – por conta de suas atividades profissionais – são convidadas em profunda dor e desamparo para pisarem em nosso solo sagrado e terminam profanando o nosso lugar sagrado. Essa profanidade é deplorável, abominável e inconcebível, pois algumas atividades e profissões são geridas pela confiança e sigilo, porquanto alcançam conhecimento de aspectos íntimos e pessoais, cujo segredo impõe-se como conseqüência ética da atividade. Isso é tão sério que o artigo 207 do nosso Código de Processo Penal, veda a colheita do depoimento em juízo, de pessoas que, em razão da sua função, ministério, ofício ou profissão, devam guardar segredo. Quem lê, entenda.

Mas existem os humoristas que jamais perdem a piada, eles gostam de fazer stand-up comedy com nossas histórias de horror, são os discípulos fãs de um nada gentil comediante das plateias gourmet. Tão ignóbeis ou pior que os humoristas são as bactérias oportunistas que se aproveitarão de sua fragilidade e queda de resistência para se instalarem como feridas terríveis em sua vida. E também tem o povo, e como canta Ana Carolina, o povo fala, o povo fala mesmo. E assim, a sua vida vai parar  na boca do povo, muitas vezes pelo telefone sem fio alimentado por amigos leais-sem-noção que tem amigos, que por sua vez tem outro amigos, todos confiáveis guardadores de segredos, óbvio.

Se a situação já perdeu o controle, chame Jesus de Nazaré, ele é ótimo com purificações de templos. Suplique para que Ele venha cheio de vontade para chutar o pau da barraca e expulsar aqueles que transformaram o seu coração em covil de ladrões. Procure se preservar e – se for o caso –  seja firme e contundente quando a sua dignidade e a dos seus amados for criminosa e comprovadamente violentada.

Ao nosso coração só deve ter acesso sumos sacerdotes, pessoas que saibam se mover com temor e tremor em nosso lugar santíssimo, pessoas assim andam com os pés descalços e em cuidado solene nessa terra que é santa e sagrada.

 

Oração do Solo Sagrado
Senhor misericordioso
Guarda o nosso solo sagrado
da profanação das almas de rapina.
Livra os nossos amados dessas adoecidas almas.
Da-nos sacerdotes zelosos
que se movam e ministrem nele em amor.
Graças por quem passa de largo
e segue o seu caminho.
Graças por quem interrompe a viagem
e fica mais próximo.
Benditas as sombras que nos cobrem
quando 1.000 não caem à direita
e 10.000 não caem à esquerda
e você é atingido.
Livra-nos das línguas
feito laços de passarinheiros,
das arapucas dos dissimulados,
das armadilhas das almas oportunistas.
Ajuda-nos a cuidar do nosso solo sagrado
Da-nos anjos que protejam o nosso jardim secreto.
Agarrados nos poderosos méritos de Jesus de Nazaré.
Amém e amém .

 

Recent Posts
Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Not readable? Change text. captcha txt

Start typing and press Enter to search